sexta-feira, 1 de junho de 2012

Programa de Leitura: “LER É LEGAL”




Em 20 de abril de 2005, foi instituída a “Semana da Leitura” por meio da Lei Municipal 3.019, no período de 22 a 29 de outubro, com objetivo de incentivar os alunos a criar o hábito da leitura.

Desde então as escolas de Ensino Fundamental têm realizado atividades como palestras, redações e cartazes alusivos ao tema e participam de um concurso promovido pela Secretaria Municipal de Educação.

Com a instituição do Plano de Ações Articuladas/PAR, uma das ações que o MEC orientou o município foi à criação de um Programa de Leitura, sob a responsabilidade da pedagoga Maria Estela Flenik Santos; não mais como projetos isolados nas escolas, ou semanas específicas, mas uma ação contínua com uma equipe na Secretaria de Educação para esse fim, visando incentivar alunos, pais, professores e comunidade escolar à leitura, a democratização do acesso à rede de informações que sustenta a sociedade atual, contribuindo para a formação cidadã e para a redução dos mecanismos de exclusão social; e finalmente utilizar a leitura como instrumento de transformação das pessoas proporcionando melhor compreensão da realidade através da comparação com outras visões de mundo.

Para tanto, o presente programa intitulado “Ler é Legal” foi aprovado por meio da Lei Municipal nº 3.996, de 28 de março de 2012 , e está em fase de implantação, sob a coordenação da professora Ms Elisângela Aparecida Zaboroski, a qual já realizou reuniões com as diretoras da Ed. Infantil e Ens. Fundamental e com professoras da Educação de Jovens e Adultos; está visitando gradativamente as escolas, afim de tornar realidade as ações previstas no programa.

A criadora do programa, pedagoga Estela, realizou o mesmo com as seguintes expectativas:

1º) - Que a efetivação deste Programa de Incentivo à Leitura – “Ler é legal” – permita que toda criança e jovem que passar pelos bancos escolares do Sistema Municipal de Ensino de Porto União possa dizer que tem saudade da escola, das aulas de ler e ouvir histórias, contos, poesias e outros; saudade das professoras que foram verdadeiras fadas que as conduziram ao mundo da leitura.

2º) - Que os alunos, passando por nossas escolas que valorizam e incentivam o ato de ler, consigam usar a leitura como ferramenta para interagir na sociedade, sendo cidadãos participativos.

3º) - Que as professoras possam colocar-se ao lado dos pensadores que almejam como verdadeiro prêmio “[...] o ver um leitor potencial abrir-se à experiência fulgurante da leitura e daí tomar o rumo da cidadania consciente, do exercício crítico permanente das histórias com que se vê envolvido”. (AMARILHA, 2009, p.10)

4º) - E que, ao longo dos anos, se concretizem as ações do presente documento efetivando a política municipal de incentivo à leitura.

Esse Programa vai além de uma obrigatoriedade, enquanto ação o PAR, é um ação efetiva da educação municipal para subsidiar as escolas em sua função social.

Programade Leitura: "LER É LEGAL"

Texto base para o Programa
Autora: Professora Pedagoga Maria Estela Flenik Santos.

quarta-feira, 9 de maio de 2012

CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS PELO P.A.R.-Creche Padrão/FNDE e Onibus Escolar




 Em 2007 com a sanção do Decreto Presidencial nº 6094/2007, o sr. prefeito Renato Stasiak foi um dos pioneiros a assinar o Termo do "Compromisso Todos pela Educação",  o qual atualmente todos os prefeitos do Brasil assinaram e que traz muitos benefícios para a educação municipal com a celebração de convênios com o FNDE/MEC; em contrapartida traz inúmeras responsabilidades, como a elaboração do P.A.R. - Plano de Ações Articuladas. Essa obrigatoriedade está registrada no Decreto 6.094/07 (Compromisso todos pela educação) artigo 8º e 9º das metas do Compromisso.
           O P.A.R. é um Planejamento Plurianual (Plano de Estado e não de governo) e o município de Porto União elaborou pela primeira vez para o período de 2007 a 2011; finalizando-o com algumas metas cumpridas (Pró-letramento, recebimento de laboratórios pelo PROINFO, concurso público para provimento de vagas, reformulação do Plano de Carreira do Magistério, publicização dos atos por meio da criação do Blog, reformulação da legislação dos CACS), outras metas em andamento (Programa de Leitura, Plano Municipal de Educação Elaboração da Proposta Pedagógica, cadastro para recebimento de Salas de Recursos, constituição de Conselhos Escolares) e outras não foi possível realizar devido a questões financeiras, uma vez que o MEC enviou recursos e celebrou convênios essencialmente com municípios prioritários.
            Em 2011 o município elaborou o novo PAR para o período de 2011 a 2014. Com representatividade sugerida pelo MEC de uma Equipe Técnica (Decreto Municipal) e constituiu o novo Comitê Local (Decreto Municipal), o qual tem por atribuições mobilizar a sociedade e acompanhar o PAR e as metas de evolução do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica - IDEB no município. O novo PAR apesar de não ter sido aprovado, gerou inúmeras ações que já estão sendo realizada por seus responsáveis, como o Programa de Leitura e a formação continuada, e tão logo seja aprovado será amplamente divulgado.
            O trabalho foi finalizado em janeiro de 2012 e entregue ao prefeito o PAR, enviado ao MEC por meio do SIMEC, e está em processo de analise e, quando aprovado, será gerado um Termo de Cooperação Técnica a ser assinado pelo Prefeito do município e pelo Ministro da Educação. Nesse Termo de Cooperação Técnica estarão as ações de assistência técnica que serão implementadas pelo Ministério da Educação até 2014. Dessa vez, não apenas para municípios prioritários, mas para todos que cumprirem as metas planejadas.
            Cada ação de assistência financeira aprovada gera um convênio de acordo com os Programas do governo federal. 
         Atualmente, o município foi contemplado pelo PAR com os Programas de transportes escolar “CAMINHO DA ESCOLA” para o recebimento de 3 ônibus, conforme  o Termo de Compromisso celebrado com o FNDE e essa semana o Secretário de Educação Bento Trindade recebeu o convite participar de uma celebração do convênio esperado desde 2007: “o recebimento da creche padrão FNDE pelo programa PROINFÂNCIA”, a qual será construída no bairro Santa Rosa, para atender com qualidade a demanda do N.E.I. Criança Feliz, que atualmente compartilha espaço com o Posto de Saúde.     
            Todas essas ações somam forças no sentido de ofertar uma educação pública de qualidade para nossos estudantes.


quinta-feira, 3 de maio de 2012

Remoção para professores da educação infantil

Confiram a classificação da remoção para professores da educação infantil, as quais assumiram a nova lotação no dia 21 de maio.


CLASSIFICAÇÃO CONCURSO DE REMOÇÃO
EDITAL DE 18.04.12 – CONFORME LEI Nº 3885 DE 22/06/11
EDUCAÇÃO INFANTIL


LOCAL: Berçário Maria Luiza Waldraff
PERÍODO: Matutino
HORÁRIO: 7h às 11h

 Edna Aparecida Andrade Pacheco


LOCAL: N.E.I Comecinho da Vida
PERÍODO: Matutino
HORÁRIO: 7h30min às 11h30min

 Danielli Suski


LOCAL: N.E.I Moranguinho
PERÍODO: Matutino
HORÁRIO: 8h às 12h

 Juliana Base


LOCAL: N.E.I Albertina Brauchner
PERÍODO: Matutino
HORÁRIO: 7h às 11h

 Aline Cristina Colita

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Aberto o processo de remoção para professores da educação infantil


 A Secretaria Municipal da Educação, abre inscrições para remoção, para os professores da Educação Infantil, conforme Lei nº 3885 de 22 de junho de 2011, seção II, artigo 30 a 32.
As inscrições serão realizadas na Secretaria Municipal da Educação do Município - Rua: Frei Rogério, 367 – Porto União – SC, no período de 19 à 25 de abril de 2012, das 8h às 12h e das 13h30min às 17h30min.
A classificação dos candidatos ocorrerá seguindo o mesmo critério utilizado para a lotação.
 A listagem classificatória será divulgada na Secretaria Municipal da Educação em 27 de abril de 2012.
 O  início das  atividades  da  lotação dos professores nas vagas dos referidos Núcleos, será dia 21 de maio de 2012.
 Demais informações estão no Edital de remoção. .

segunda-feira, 2 de abril de 2012

02 de abril: Dia Mundial da Conscientização do Autismo



A Equipe da Secretaria Municipal de Educação, comemorou no dia 02 de abril o Dia Mundial da Conscientização do Autismo, data decretada pela ONU (Organização das Nações Unidas), desde 2008, pedindo mais atenção ao transtorno do espectro autista (nome "oficial" do autismo), cuja incidência em crianças é mais comum e maior do que a soma dos casos de AIDS, câncer e diabetes juntos. No Brasil estima-se que tenhamos 2 milhões de autistas, mais da metade ainda sem diagnóstico.


À espera dos deputados federais

Muitos podem pensar que autismo é algo raro, porém, os números aceitos pela comunidade internacional são de um autista para cada 110, estatística do CDC (Center of Deseases Control and Prevention), órgão do governo dos Estados Unidos. Números alarmantes, que deveriam colocar o autismo entre as prioridades nas políticas de saúde pública.

Em junho de 2011, o Senado aprovou um projeto de lei que garantirá direitos e atendimento aos autistas do Brasil — que atualmente não contam com tratamento pela rede pública de saúde. Para ir à sanção da presidente Dilma e virar lei, o projeto precisa ainda ser aprovado pela Câmara Federal, mas está parado sem entrar na pauta dos deputados há mais de oito meses. Muitos pais perguntam: "Até quando?" — o andamento do projeto pode ser acompanhado online em http://LeiFederal.RevistaAutismo.com.br com informações do site da Câmara. O autismo não é considerado uma deficiência física nem mental, portanto não se encaixa na maioria dos direitos já conquistados pelas pessoas com deficiências no país. No início deste ano, no Rio de Janeiro (RJ) e em Belo Horizonte (MG) pais se mobilizaram para derrubar vetos do Executivo a leis que beneficiam os autistas.

Vários níveis no espectro

Um dos únicos consensos entre a comunidade médica em todo o mundo é de que quanto antes o diagnóstico for feito e o tratamento iniciado, melhor será a qualidade de vida da pessoa com autismo. A fim de auxiliar a descoberta precoce e para que a sociedade comece a conhecer os sutis sinais do autismo em bebês e crianças cada vez mais cedo.

Para muitos, o autismo remete à imagem dos casos mais graves, porém há vários níveis dentro do espectro autista. Nos limites dessa variação, há desde casos com sérios comprometimentos do cérebro, até raros casos com diversas habilidades mentais, como a Síndrome de Asperger (um tipo leve de autismo) – atribuída inclusive aos gênios Leonardo Da Vinci, Michelângelo, Mozart e Einstein. Mas é preciso desfazer o mito de que todo autista tem “superpoderes”. Os casos de genialidade são raríssimos.
A medicina e a ciência, de um modo geral, sabem muito pouco sobre o autismo, descritas pela primeira vez em 1943 e somente 1993 incluído na Classificação Internacional de Doenças (CID 10) da Organização Mundial de Saúde como um Transtorno do Desenvolvimento, que afeta a comunicação, a socialização e o comportamento.
Outro mito é o de que o autista vive em seu próprio mundo. Não. Ele vive em nosso mundo. Muitos autistas, porém, têm dificuldade em interagir e se comunicar, por isso não estabelece uma conversa, ou mantêm uma brincadeira, e tendem a isolar-se — não porque querem, mas por não conseguirem. Ao pensar que o autista não tem um mundo próprio, teremos mais chances de incluí-lo em "nosso mundo" com o respeito que merecem, pois preconceito se combate com informação. Para contribuir, procure saber mais sobre o autismo e ajude a divulgar o 2 de abril.
Retirado do site WWW.revistaautismo.com.br